sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Eles só querem respeito

Os árbitros de futebol são, sem nenhuma dúvida, os patinhos-feios do esporte. No Brasil, nem profissionalizados são. Mas são sempre os grandes culpados de tudo. Técnicos, jogadores, dirigentes e torcedores estão sempre apontando os juízes como a principal causa de fracasso em uma partida ou, até mesmo, em um campeonato. No mundo inteiro é assim.

Tentando melhorar isso, a FA (Football Association), a CBF inglesa, criou a campanha “Respect”. A mensagem da campanha é mais ou menos a seguinte: imagine o que seria do futebol sem o juiz. No início dessa semana, eles lançaram o vídeo abaixo ilustrando esse argumento. Com a participação de ex-árbitros, ex-jogadores e até mesmo do técnico da seleção inglesa, Fabio Capello, o vídeo mostra que seria impossível conduzir uma partida de futebol sem aquele personagem que nós tanto amamos.

3 comentários:

Corazza disse...

Tá, muito bem, muito bonito o último vídeo. Agora, eu pergunto: o que seria do futebol sem a FALTA DE RESPEITO com o árbitro? Ou alguém aqui pagaria 30 dinheiros pra entrar num estádio e não xingar até a terceira geração da família do homem de preto (ou amarelo, ou rosa, sei lá)?

Abimael Forquilla disse...

Corazza, eu escrevi, tempos atrás - e continuo com o mesmo pensamento - que a única maneira de melhorar a imagem do juiz é cada clube ter o seu próprio árbitro. O Flamengo contrataria o Wagner Tardelli, o Corinthians o Paulo César Oliveira, o Cruzeiro o Alício Pena Júnior e por aí vai. Aí, cada time entraria com o seu próprio juiz em campo, identificado com uma camisa diferente, que nem a do líbero no vôlei, e cada juiz teria poder total em metade do campo, podendo exercer também a função de atacante quando estivesse na área do adversário, situação em que, entre outras coisas, poderia apitar um pênalti cometido em si mesmo. Ia ser muito mais dinâmico e muito mais justo.

Gabriel Foots disse...

A idéia do Bima é muito boa, mas tem uma falha: como ficaria quando um time tem vários juízes, como no caso do Grêmio? Como saber se o seu juiz não é, na verdade, de outro time, um agente-duplo (do Grêmio)?