segunda-feira, 13 de outubro de 2008

O cartola bi-polar

O Flamengo tem aquilo que todo time precisa: um cartola corneteiro. Meu deus! O cara é pior que a turma do amendoim lá do Palestra Itália. 1º ato: Flamengo ganha do Náutico, dois a zero, Marcio Braga alucina: já encomendei o chopp, já pedi para a tia fazer a fejuca e é só esperar, pois em dezembro fai rolar a balada do hexa. Ótimo. O time todo ficou bem paquito, com a bola cheia, afinal quem tem medo do Atlético Mineiro? Medo, não sei, mas cautela é bom. 2º ato: Atlético três a zero; Maracanã bombando. (recomendação de um palmeirense: é assim que o Caio Jr. funciona: ele abre o bico, no vamos ver, pipoca... faz tempo que digo isso) 3º ato: como reage Marcinho, the party animal? Tudo acabou! Brasileiro? Só em 2009. Que lixo de time.. etc. 

Reflitamos da maneira mais racional que o futebol possa nos permitir. Cenário: você um jogador do Flamengo; seu time teve uma campanha de altos e baixos, incrementada com uma seqüência assustadora de derrotas e empates no meio do ano; seu time vence um outro que briga para não cair num jogo morno; o cartola começa a falar, ninguém sabe a razão, de festa do hexa; sabadão, Maracanã cheio e chocolate; aquilo que era euforia vira pessimismo schopenhauriano. E o jogador? Enlouquesse, provavelmente. Marcio Braga é um terrorista. Caro leitor, a moral da fábula flamenguista é similar a da fluminense: falar muito não dá bom resultado.

Veja uma pequenina matéria feita pelo pessoal do globoesporte.com sobre uma maldição do Maracanã cheio e constate a genialidade de Eurico Miranda no episódio de 30 de dezembro de 2000 no estádio de São Januário.

2 comentários:

Saulo Milleri Biral disse...

O problema dessa diretoria do Flamengo é a soberba.

Marcel Jabbour disse...

Concordo, principalmente com o fato de os comentários do Márcio Braga afetarem os jogadores. Escrevi sobre isso no Diletra. Passa lá!

Abraços

diletra.blogspot.com